Pular para o conteúdo
Voltar

Seminário debate acesso as políticas públicas para agricultura familiar

Rosana Persona (Empaer) / Kátia Passos (Secom VG)

João de Melo (Empaer)
A | A

O 1º Seminário Municipal de Desenvolvimento Socieconômico e Ambiental da Agricultura Familiar é realizado nesta quarta feira (13.12), no município de Várzea Grande. O objetivo é ouvir lideranças rurais e debater sobre as demandas e prioridades para uma ação integrada entre as instituições de extensão rural e encontrar soluções para os produtores rurais. Com a participação de mais de 150 pessoas entre agricultores familiares, técnicos e outros, o evento é realizado no auditório da Federação dos Trabalhadores Rurais (Fetagri).

O diretor de Ater da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Rogério Monteiro Costa e Silva, destacou que o município de Várzea Grande possui mais de quatro mil agricultores familiares e que o seminário tem como finalidade  construir estratégias para o fortalecimento da agricultura familiar, possibilitando intercâmbio e articulação técnica e política em benefício da atividade rural. “No seminário reforçamos que é importante seguir três componentes para atingir uma agricultura sustentável: ambientalmente correto, socialmente justo e economicamente viável”, declarou Monteiro.

A secretária municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável, Helen Farias, falou que este é o primeiro seminário a ser realizado em Várzea Grande e a intenção foi apresentar as políticas públicas a disposição dos agricultores familiares e ampliar as parcerias institucionais em prol do desenvolvimento da agricultura familiar. “O acesso às tecnologias e serviços de extensão com uma assistência técnica de qualidade, executada de forma ampla e contínua, são pontos essenciais para que a Agricultura Familiar possa ampliar seu importante papel para o desenvolvimento do segmento econômico”, ressaltou Helen.

O coordenador Regional da Empaer, Vico Capistrano Alencar, falou quem este ano de 2017 foram realizados 10 seminários da agricultura familiar na Baixada Cuiabana, e que dessa forma ficou mais fácil traçar um diagnóstico da realidade no campo, com alternativas para a melhoria da produção, comercialização e outros. Conforme Vico, os produtores debateram temas como crédito rural, logística, meio ambiente, prestação de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), questões fundiárias e outros.

Durante o seminário, o supervisor da Empaer, Nivaldo Ponciano Coelho, falou aos participantes sobre Organização Rural com enfoque na apresentação dos avanços nas políticas de comercialização com recursos do Programa Nacional de Aquisição de Alimentos (PAA) da Conab (Companhia Nacional de Abastecimento) e o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), crédito rural e acesso as políticas públicas. O zootecnista da Empaer, Antônio Rômulo Fava, debateu a importância da pecuária leiteira e a sustentação econômica da agricultura familiar.

Para a agricultora da comunidade de Capão das Antas, Jaciara Alves dos Santos, participar do seminário é uma oportunidade de adquirir conhecimento e buscar apoio dos órgãos e instituições a fim de que possam buscar novas tecnologias e investimentos em máquinas e equipamentos para melhorar e ampliar a produção. “No meu caso, que trabalho com piscicultura, é essencial buscar todas as informações necessárias para que possamos aplicar favorecendo o aumento da produção com qualidade e de acordo com que o mercado necessita. Temos que nos enquadrar aos padrões de mercado e estarmos de acordo com as normas e técnicas de produção”.

Já o produtor rural Francisco Martins, morador do Assentamento Sadia I, disse que veio ao seminário para buscar, especificadamente, as informações de linhas de financiamento que possa acessar para a produção principalmente de leite. “Quero investir mais na minha linha de produção. Hoje produzo leite, ovos e leguminosas. Estou na busca de financiamento para aumentar e melhorar as produções. Mas isso depende muito do limite de taxas e juros a serem cobrados pelos bancos, porque o que menos o produtor rural quer é ter problemas na hora de saldar o financiamento”, pontuou.

O encerramento do evento está previsto às 17h.