Pular para o conteúdo
Voltar

Aplicação de novas técnicas poderá aumentar em 30% a produção de mandioca em MT

Aplicação de novas técnicas poderá aumentar em 30% a produção de mandioca em MT
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
No Brasil, a cultura da mandioca ocupa o terceiro lugar no ranking mundial com uma produção de 26 milhões de toneladas, numa área de 1,8 milhões de hectares e uma produtividade de 13 toneladas por hectare. Conforme dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), a área plantada no Estado de Mato Grosso na safra 2007 foi de 39,1 mil hectares com uma produção de 550 mil toneladas de mandioca, sendo destinada a maior parte para industrialização na produção de farinha e fécula. A Tailândia é o maior produtor, com uma produção de 3 milhões de toneladas ao ano. O diretor técnico da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Almir de Souza Ferro, ressalta que a cultura da mandioca é geradora de mão de obra e a nova diretriz técnica que foi elaborada pelos técnicos da Empaer, instituições parceiras e produtor rural tem a intenção de levar tecnologia que não onere o custo de produção, mas traga aumento na produtividade e renda para o agricultor. Ferro descreve que a diretriz técnica da mandioca aborda os principais pontos para garantir retorno ao investimento. Ele cita as pragas e métodos de controle. A praga mais frequente é a lagarta mandarová e a mais devastadora devido a sua capacidade de consumo foliar. Causa ataque intenso e pode destruir as plantas, inclusive ramos mais finos. Conforme Ferro, em áreas pequenas recomenda-se a catação manual e destruição das lagartas. Em áreas maiores o controle pode ser biológico. A cultura da mandioca resiste às situações adversas de solo e clima, resistente, produz em solos de baixa e média fertilidade. É considerada a cultura das mil e uma utilidades devido ao aproveitamento total da planta. Almir explica que as folhas e talos – parte aérea - são usados para alimentação animal devido ao alto teor de proteína, gerando aumento na produtividade do leite. A raiz é servida in natura ou como farinha e fécula. Por fim as hastes são usadas para o plantio. “A mandioca exerce um importante papel na alimentação humana e animal devido ao seu alto valor energético e consumida principalmente entre as classes de menor poder aquisitivo. Produzida em praticamente todos os municípios e está presente nas pequenas propriedades rurais. As orientações técnicas contidas na diretriz têm como objetivo fornecer aos produtores rurais e sua família um conjunto de práticas recomendáveis ao cultivo da mandioca”, destaca Ferro. Produtores da Baixada plantam 30% da mandioca produzida no Estado. Almir ressalta que os produtores ainda são resistentes a mudanças e principalmente a aplicação de novas tecnologias. A cultura da mandioca é secular e considerada uma atividade que é passada de pai para filho. A Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) aprovou que o tamanho ideal da maniva para plantio é de 15 a 20 centímetros e o produtor insiste em plantar com 5 a 10 centímetros. “A diretriz técnica apresenta uma metodologia fácil para produzir com tecnologia e garantir a produtividade. A nossa meta é ampliar de 14 toneladas por hectare para mais de 20 toneladas”, ressalta Souza.