Pular para o conteúdo
Voltar

Colniza é o maior produtor de feijão comum na agricultura familiar

Colniza é o maior produtor de feijão comum na agricultura familiar
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
Na safra 2008/2009, o município de Colniza (1.065 km a Noroeste de Cuiabá) foi considerado um dos maiores produtores de feijão comum na agricultura familiar, com uma produção de 600 toneladas por hectare e uma área plantada de 1 mil hectares. O pesquisador da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), José Geraldo Di Stefano, juntamente com o pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Valter Martins de Almeida, são um dos responsáveis pelo ajuste tecnológico no cultivo do feijoeiro na agricultura familiar. Martins explica que a expectativa é otimista na retomada do crescimento do feijoeiro e estão repassando novas cultivares aos produtores rurais. As variedades de feijoeiro recomendadas para plantio são: Jalo Precoce, que apresenta o ciclo próximo em 70 dias e chegou a produzir 1.542 quilos por hectare (Colniza), BRS Pontal atingiu 1.066 quilos/hectare (Rosário-Oeste) e a BRS Suprema com 1.972 quilos/hectare (Aripuanã). “A média de produção no Estado foi de 400 a 600 quilos por hectare”, esclarece Valter. Com as variedades testadas, os pesquisadores querem proporcionar aos produtores a oportunidade de comparar e escolher entre as cultivares tradicionais, ou seja, as que estavam sendo utilizadas e as recomendadas pela pesquisa. Conforme Almeida, o crescimento da cultura do feijão é motivado também pela compra direta do produtor por meio do Projeto de Aquisição de Alimentos (PAA), da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). Os produtores já comercializaram 468 toneladas de feijão comum e somente em Colniza foram 183 toneladas de feijão cedido para Conab. Segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o Estado de Mato Grosso em 2009 teve uma área plantada de 5,1 mil hectares de feijão das águas com uma produção de 10,5 mil toneladas. O feijão da seca apresentou uma área maior, com 31,4 mil hectares e produziu 45 mil toneladas e o feijão irrigado com 12,7 mil hectares de área plantada, produziu 24 mil toneladas. O Estado de Mato Grosso hoje tem uma área total de cultivo de feijão comum de 49,3 mil hectares e uma produção de 79,7 mil toneladas de feijão das secas. ADUBAÇÃO VERDE Para garantir a sustentabilidade da produção do feijoeiro comum, os pesquisadores incentivam a utilização de boas práticas agrícolas na recuperação da fertilidade dos solos já cultivados. Uma técnica aplicada é a adubação verde. “A adoção dessa prática viabiliza a conservação dos recursos genéticos nos sistemas agropecuários por meio de seu uso social e da geração e divulgação do conhecimento de uma determinada espécie ou variedade no ambiente local”, aconselha Valter. Para a adubação verde, destacam-se as leguminosas, principalmente pela sua capacidade de fixação do nitrogênio do ar. Almeida menciona que a adubação é para aumentar a produção das lavouras, favorecerem a atividade de microorganismos benéficos ao solo, controlar algumas plantas infestantes, nematóides, aumentar a disponibilidade de macro e micronutrientes e outros. O feijão oferece uma proteína vegetal de baixo custo na dieta alimentar, evitando deficiências nutricionais de ferro e zinco, principalmente nas crianças. O feijoeiro comum no Estado é produzido em áreas extensivas, empresariais e de subsistência. A leguminosa é considerada uma das principais culturas das comunidades rurais.