Pular para o conteúdo
Voltar

Dia de campo mostra tecnologia para cultura do maxixe e produtos biofortificados

Dia de campo mostra tecnologia para cultura do maxixe e produtos biofortificados
Rosana Persona (Jornalista da Empaer)

A | A
Mais de 90 pessoas, entre produtores rurais, técnicos agropecuários, estudantes e pesquisadores participaram nesta terça-feira (19.04), do dia de campo do Maxixe Tutorado em Rede Agrícola e do lançamento oficial do programa Biofort na Comunidade Limpo Grande, no município de Várzea Grande (5 km ao Norte de Cuiabá). O objetivo dos eventos foi apresentar resultados de pesquisas e tecnologias voltadas para o agricultor familiar. Durante o dia de campo, os participantes percorreram três estações. Na primeira estação, o técnico agropecuário da Empaer, Vico Capistrano Alencar, contou que os produtores da Comunidade Limpo Grande cultivam o maxixe há mais de 50 anos. Esclareceu também sobre a Unidade Didática de Sustentação Econômica (UDSE) que foi implantada com o propósito de auxiliar o produtor rural na produção de maxixe o ano todo. Na segunda estação, o engenheiro agrônomo da Empaer, Manoel Roque da Costa, e o produtor Domingos Lemes da Costa, proprietário da Chácara Santa Rosa, esclareceram que a nova tecnologia aplicada para o cultivo do maxixe aumentou a produtividade. Para comparar os serviços de colheita, plantaram o maxixe rasteiro, que teve uma produção de 4,5 caixas e o maxixe com rede agrícola, que produziu 21 caixas nas mesmas dimensões das áreas. “Estou satisfeito com a produção e a forma de realizar a colheita do maxixe. Podemos produzir o ano inteiro com a irrigação”, destaca o produtor Domingos. Na terceira e última estação, as nutricionistas da Empaer, Relinda Oliveira Lucialdo e Gislaine Araújo, mostraram os benefícios do maxixe na alimentação, entre eles o valor nutricional, sendo rico em zinco, mineral importante para o bom funcionamento do organismo. Também é fonte de cálcio, fósforo, ferro, sódio, magnésio, vitamina C, vitaminas do complexo B e betacaroteno (pró-vitamina A). Sugeriram receitas de maxixe cru, em salada, em suco e cozido. O presidente da Empaer, Layr Mota Silva, destacou o avanço da tecnologia para produção do agricultor familiar, possibilitando aumento da produtividade e, consequentemente, a renda da família rural. E lembrou que esse trabalho é uma parceria com a Secretaria Municipal de Meio Ambiente e Desenvolvimento Rural Sustentável de Várzea Grande. A secretária municipal, Helen Farias Ferreira, fala que a parceria com a Empaer é essencial aos municípios e traz tecnologia, conhecimento e quem ganha é a comunidade. O produtor rural de Várzea Grande, Recenato Ferreira da Costa, cultiva em uma área de 1,5 hectares, maxixe, quiabo, vagem pepino e abobrinha. Ele ficou entusiasmado com o cultivo do maxixe em rede agrícola e já pensa em produzir também pepino japonês com a nova tecnologia aplicada pelos técnicos da Empaer. O funcionário público e produtor do município, Celso Arruda, está cultivando maxixe em tela utilizada em galinheiro, apenas em teste, garante que a técnica facilita a colheita. “Posso utilizar a Rede Agrícola no próximo plantio”, enfatiza Celso. Rede Biofort No período da tarde, aconteceu o seminário e o lançamento do programa BioFort com a participação do pesquisador da Embrapa/RJ, José Luiz Viana de Carvalho, que esclareceu sobre a Rede Biofort cujo objetivo é garantir uma dieta pelo aumento dos teores de ferro, zinco e vitamina A na alimentação da população mais carente, combatendo assim a fome. O professor do departamento de Agronomia da Unemat, Roberto Antônio Martinez, destacou a biofortificação.