Pular para o conteúdo
Voltar

Diretriz técnica da mandioca será lançada em agosto

Diretriz técnica da mandioca será lançada em agosto
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
Vinte técnicos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e dez produtores rurais do Estado estiveram reunidos para elaboração das diretrizes técnicas para o cultivo da mandioca em Mato Grosso. A diretriz, que será lançada no mês de agosto, define a metodologia recomendada no processo de produção de raiz da mandioca para o consumo in natura, farinha e fécula. O diretor técnico da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural, Almir Souza Ferro, fala que as novas orientações técnicas propõem um aumento na produtividade de 14 a 20 toneladas por hectare, enquanto a média no Estado não passa de 14 toneladas por hectare. A diretriz vai orientar o produtor desde o preparo do solo, sistema e época de plantio, tratos culturais, colheita, espaçamento e variedades. Almir lembra que pesquisadores do Centro Nacional de Mandioca e Fruticultura de Cruz das Almas, do Estado da Bahia, recomendam as variedades regionais consideradas produtivas, como a Liberata, Igarapé e outras. A Pesquisadore da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Suzinei Silva Oliveira implantou experimentos na região de Furnas, no município de Chapada dos Guimarães, com variedades do Brasil para testar o comportamento na região Centro-Oeste. Os produtores do Estado já utilizam as variedades, Olho Junto, Fécula Branca e Fibra recomendada pela Embrapa. Essas variedades são plantadas também no Estado do Paraná e Mato Grosso do Sul. Almir salienta que a diretriz técnica apontou a necessidade de pesquisa e após dois ciclos da mandioca será observado o resultado, ou seja, em dois anos, dependendo das variedades com ciclo precoce (12 meses) utilizada para consumo in natura, semi precoce (12 a 18 meses) e tardia (acima de 18 meses) para fabricação de farinha e fécula. Um dos pontos marcantes da diretriz é a definição das épocas de plantio, sendo setembro/novembro e março/abril. O espaçamento simples 1x1 entre linhas, 1x0,80 entre plantas e fileiras duplas 2x0,6x0,6 . Usar manivas de 15 a 20 centímetros e retirar 25% da área com manivas sementes para o próximo plantio, com a idade de 10 a 14 meses, sendo consideradas maduras. Para retirar sementes apropriadas, a diretriz recomenda usar a área central da lavoura de mandioca e selecionar o material para o plantio. Outra recomendação básica são os tratos culturais, manter a cultura da mandioca livre de ervas daninhas. A primeira limpeza da lavoura deve ser feita de 15 ou 30 dias após o plantio. Conforme Almir, a cultura da mandioca representa importante atividade sócio-econômica gerando emprego e renda, tanto nas áreas rurais com o processo de produção e industrialização, como nas áreas urbanas através da comercialização. Atualmente a mandioca é produzida em todos os municípios do Estado e está presente nas pequenas propriedades rurais como fonte alimentar da família e para criação de animais. “O objetivo da diretriz é oferecer aumento na produtividade, melhorando a renda do produtor”, esclarece Almir.