Pular para o conteúdo
Voltar

Empaer comemora Dia das Mães com Biodança

Empaer comemora Dia das Mães com Biodança
Cristiane Celina (Assessoria)

A | A
Na última sexta-feira (07.05) as servidoras da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) tiveram um dia especial em comemoração ao Dia das Mães: Chá da tarde, sorteio de brindes, Palestra e vivência em Biodança com a professora Cibele Lemes, formada por Rolando Toro Acunã, diretora da escola de Biodanza em Cuiabá, com especialização em Biodança empresarial. Cibele ainda é membro da International Biocentric Fundation, entidade que orienta o movimento de Biodança em todo o mundo e coordenou a Escola de Biodanza em Paris. A biodança (do espanhol biodanza, neologismo do grego bio (vida) e dança, literalmente a dança da vida) é um sistema de integração afetiva e desenvolvimento do potencial humano baseado em "vivências" criadas através de movimentos de dança com músicas selecionadas, e através de situações de encontro não-verbal dentro de um grupo, centradas no olhar e no toque físico. O "Sistema Biodanza" foi criado nos anos 1960 pelo antropólogo e psicólogo chileno Rolando Toro e se encontra difundido em diversos países, incluindo países da América Latina, Europa, Canadá, Japão e África do Sul. Utilizando fundamentos da biologia, da antropologia e da psicologia, a biodança se define oficialmente como um sistema de integração afetiva, de renovação orgânica e de reaprendizagem das funções originais da vida. É uma pedagogia da arte de viver, uma poética do reencontro humano e um convite para que se crie uma nova cultura baseada no som da vida. Seus objetivos são a promoção da saúde, da consciência ética e da alegria de viver. Os exercícios de Biodança são harmonizadores, tendem a eliminar o stress e estados depressivos. As danças permitem as expressões das emoções, reforço da nossa identidade e estimula a expansão da consciência. A prática de Biodança eleva a qualidade de vida e estimula a comunicação profunda consigo mesmo e com o ‘outro’. Além das mulheres, também participaram alguns homens na Biodança. “Foi diferente, descontraída e ela conseguiu uma integração entre pessoas aparentemente distantes, realmente me envolveu”, destacou o servidor, engenheiro agronômo Osvaldo Ferreira da Silva. “Dentro da empresa é preciso que a gente estreite a relação entre os colegas, para que a gente consiga um ambiente mais agradavél para que isso se reflita numa melhor qualidade dos serviços prestados. Eu achei ótimo e gostaria que tivesse mais ações nesse sentido, para mellhorar a nossa auto-estima e desempenho no trabalho”, disse a Coordenadora de Pesquisa, Eliane Daltro.