Pular para o conteúdo
Voltar

Empaer faz visita técnica para avaliar produção leiteira em Figueirópolis D'Oeste

Empaer faz visita técnica para avaliar produção leiteira em Figueirópolis D'Oeste
Cristiane Celina/ Assessoria de Comunicação

A | A
A Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), por meio do escritório local de Figueirópolis D’Oeste (393 km de Cuiabá), realizou nova visita técnica na terça-feira (28.08), ao Sítio Santa Maria, que fica na comunidade de Bugres (25 km de Figueirópolis), de propriedade de Dejair Aparecido Garcia e família, para avaliar a produção leiteira. O sítio é uma Unidade Didática de Sustentação Econômica (UDSE), implantada pela Empaer atráves do programa do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), que a princípio é uma experiência, mas o objetivo, com o trabalho da assistência técnica e extensão, é transformar em atividade econômica rentável para a família rural. Em menos de um ano, com a melhora da alimentação do gado, a produção diária passou de 250 para 400 litros com 23 vacas da raça girolanda. Além disso, o gado apresenta um ótimo score corporal (estética do animal). Três tipos de capim são utilizados nas pastagens: a Mombaça, Tifton e Braquiaria CV Marandú, no sistema de piquetes. A área de pasto é de 3,5 hectares, com irrigação por aspersão. Outra novidade em relação a 2011 é que as vacas são separadas por categoria e por produção para cada piquete: primiparas (primeira cria), vacas de 12 a 14 litros, vacas de 14 a 20 litros e as vacas acima de 20 litros, as mojando (perto de parir) e as vacas de final de lactação. Os bezerros também são separados por idade. Toda produção do Sítio Santa Maria é vendida a uma cooperativa de Araputanga. “A alternativa do produtor é investir em produção. É com menos vacas, em uma área pequena, produzir mais leite”, ressaltou o técnico da Empaer, Agatangelo de Souza. O proprietário ainda usa várias tecnologias, entre elas a programação de cio, com Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF) e a silagem de milho e sorgo. “Como eu tenho uma área pequena, tento aproveitar, dentro das possibilidades, o máximo dela, mas sempre levando em conta a questão da preservação. Toda nossa Área de Preservação Permanente (APP), está devidamente legalizada com a outorga do uso da água e o Cadastro Ambiental Rural (CAR) junto à Sema”, explicou Dejair Garcia. Em Figueirópolis D’Oeste, cerca de 70% dos produtores utilizam técnicas de inseminação no gado.