Pular para o conteúdo
Voltar

Empaer testa diferentes materiais genéticos de amendoim e gergelim para a agricultura familiar

Empaer testa diferentes materiais genéticos de amendoim e gergelim para a agricultura familiar
Rosana Persona (Jornalista/Empaer)

A | A
Para avaliar o desenvolvimento das culturas do amendoim e gergelim foram implantados nos campos experimentais da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) materiais genéticos com potencial para a agricultura familiar e alternativa de fonte renovável para produção de alimentos de qualidade nutricional e biodiesel. Essas oleaginosas são importantes fontes de proteínas e de óleo. A pesquisa vai auxiliar também no sistema de produção, reduzindo o uso de insumos e mecanização. O pesquisador da Empaer, Norival Tiago Cabral, fala que o trabalho de pesquisa é realizado nos municípios de Tangará da Serra, Primavera do Leste (Campo Experimental do Instituto Mato-grossense do Algodão), Sinop e São José dos Quatro Marcos. Os materiais genéticos são originários da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e de outras instituições de pesquisa. Ao todo são 18 linhagens, sendo oito de amendoim e dez de gergelim. O cultivo do amendoim no Estado de Mato Grosso ocupa uma área de 3.188 hectares, produção de 7.754 toneladas e produtividade de 2.432 quilos por hectare. O plantio concentra-se nos municípios de Campo Novo do Parecis, Tangará da Serra, Barra do Bugres, Aripuanã, Cáceres e Alto Paraguai. O gergelim é plantado numa área de 435 hectares, produção de 141 toneladas e rendimento de 324 quilos por hectare. A lavoura encontra-se nos municípios de Alto Boa Vista, Porto Alegre do Norte, Colniza e Cocalinho. Com apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), a Empaer está testando diferentes materiais genéticos para selecionar os melhores. Conforme Norival, o objetivo do trabalho é atender a demanda dos agricultores familiares como uma alternativa de renda, utilizando pequenas áreas e potencializar a atividade econômica em forma de associação. “As oleaginosas são culturas rústicas de fácil cultivo com potencial de óleo e boa rentabilidade”, esclarece Cabral. Com as culturas do amendoim e gergelim, o pesquisador acredita que em menos de dois anos, terá resultados para os produtores, com recomendações técnicas enfocando principalmente alternativas de cultivares. Segundo Norival, a intenção é ampliar a pesquisa com outras oleaginosas, tais como pinhão manso, mamona, girassol e outras. GERGELIM O diretor de Pesquisa da Empaer, Carlos Milhomem de Abreu, comenta que a tendência do agronegócio e a possibilidade do cultivo de gergelim para atender o mercado de alimentos e biocombustivel é grande. Ele acredita que nos próximos anos, na região do Araguaia e no Estado, ocorra a expansão. “Mato Grosso tem tradição na produção de gergelim e possui capacidade de adaptação da espécie devido às condições de clima e solo favorecendo o desenvolvimento da planta. O gergelim pode ser cultivado num período de pouca precipitação pluviométrica, adaptada para o cultivo de safrinha e possibilidade de aproveitamento de resíduos e baixos custos de produção”, enfoca Carlos. O Gergelim é uma planta originária da Índia e seus frutos são cápsulas que variam de tamanho de dois a oito centímetros de comprimento e chegam até dois centímetros de diâmetro. As sementes são pequenas e ovaladas e ligeiramente achatadas. As sementes pretas são as mais utilizadas para cultivo de subsistência e as de coloração branca e creme são destinadas para indústria de panificação e mercado internacional. Em 2008, a Empaer em parceria com empresários, produtores rurais, Embrapa e Prefeitura Municipal de Porto Alegre do Norte (1.125 km a Nordeste de Cuiabá) lançou o manual de Diretrizes Técnicas para o cultivo do Gergelim no Estado de Mato grosso. A diretriz faz recomendação ao plantio enfocando desde os aspectos botânicos, exigências edafoclimáticas (clima e solo), preparo da área, fertilização, adubação, cultivares, espaçamento, época de plantio, controle de plantas invasoras, controle de pragas, doenças, colheita e armazenamento.