Pular para o conteúdo
Voltar

Governo visita Estados referência em Irrigação para firmar Cooperação

Governo visita Estados referência em Irrigação para firmar Cooperação
Lorena Bruschi (Assessoria/Empaer-MT)

A | A
[i]Potencial de produção de frutas e legumes do Estado pode dobrar com irrigação[/i] Com o objetivo de implantar em Mato Grosso um programa de irrigação, o governo do Estado fez uma expedição para conhecer casos de sucesso em Pernambuco e Bahia, nordeste do país. Representantes da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer-MT), secretarias de Agricultura (Seaf), de Meio Ambiente (Sema), e de Desenvolvimento Econômico (Sedec), Gabinete de Articulação e Desenvolvimento Regional, e Ministério da Integração Nacional (MI) estiveram juntos na visita que durou uma semana, entre os dias 25.10 e 01.11. O impacto econômico da irrigação vai além de melhorar a qualidade e a quantidade da produção, gera emprego e renda. “O setor de agricultura irrigada emprega diretamente 120 mil pessoas. Só uma propriedade de 15 hectares de produção de uva, visitada na expedição, emprega 65 pessoas”, explica o diretor de extensão da Empresa, Rogério Monteiro Costa e Silva. O engenheiro florestal Silva conta ainda que, mesmo com as dificuldades do bioma da caatinga, a região mais seca do país supera as expectativas de produção por conta da chegada da água. Há locais em que há 18 cm de solo, e embaixo, rocha, e mesmo assim a inciativa deu certo para a olericultura, afirma. A iniciativa visa atender os municípios do Vale do Rio Cuiabá com os recursos hídricos da região do Manso. O método piloto seria o transporte da água pela gravidade, diminuindo custos com energia elétrica em razão do não bombeamento. Em uma das estações de bombeamento visitadas, a vazão alcançada é de 7.500 litros por segundo. Com a tecnologia da irrigação podemos dobrar o potencial de produção do Estado.O nosso maior obstáculo é não conseguir produzir frutas e legumes o ano todo, apenas na época das chuvas.Este é o diferencial de outros Estados que investiram na irrigação, e que tem produtos em quantidade e periodicidade para abastecer todo o país, afirma o presidente da Empaer, Layr Mota. “É inadmissível que com todo o nosso potencial hídrico, de solo e de vocação para a agricultura, que nós tenhamos que continuar importando 70% do que a população consome”, avalia o secretário de agricultura, Suelme Fernandes. A visita deve gerar um Termo de Cooperação entre o Governo de Mato Grosso, e a Companhia de Desenvolvimento do Vale do Rio São Francisco e do Parnaíba (Codevasf) para troca de experiências e estudos técnicos, a fim de consolidar um plano de irrigação. A Codevasf é uma empresa pública brasileira, destinada ao fomento do progresso das regiões ribeirinhas dos rios São Francisco e Parnaíba e de seus afluentes. A região já tem uma política de irrigação iniciada na década de 50, com a Comissão do Vale do São Francisco (CVSF). Em 1974 foi criada a Codevasf com o seu objetivo atual, ligada à Secretaria Nacional de Irrigação.