Pular para o conteúdo
Voltar

Normas de crédito para agricultor familiar são definidas

Normas de crédito para agricultor familiar são definidas
Rosana Persona (Jornalista da Empaer)

A | A
Técnicos da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) participaram na quinta-feira (03.03) de uma reunião sobre nivelamento e atualização das normas de crédito rural para os agricultores familiares. O diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural da Empaer, Rogério Monteiro Costa e Silva, explica que foram adotados novos procedimentos pelo Banco do Brasil para acessar o crédito com a obrigatoriedade dos serviços de Ater. Com o financiamento aprovado, o agricultor familiar terá que contratar uma empresa para prestar assistência técnica em sua propriedade e se inscrever no Conselho Municipal de Desenvolvimento Rural Sustentável para comprovar que exerce a atividade. Segundo Rogério, algumas medidas são importantes para garantir melhor aplicação dos recursos e orientação para o plantio produtivo com renda e lucro para o produtor. O gerente de Mercado do Banco do Brasil, Osvaldo Fioravante Biazi, afirma que em relação à concessão de crédito o que muda é a forma de atendimento ao produtor, análise de aptidão e as possibilidades de produção. “É importante saber como seria melhor investir o dinheiro proveniente do crédito concedido. Muitas vezes o produtor pede crédito para comprar gado de leite, mas compra gado de corte. Ou pede para comprar suínos e compra pasto”, esclarece. De acordo com Biazi, o banco pretende fornecer crédito aos produtores capacitados com assistência técnica e extensão rural, baixar os índices de inadimplência, corrigir os problemas para continuar e melhorar a parceria entre o Banco e a Empaer, com o objetivo de fornecer melhor assessoria ao produtor rural. O gerente de Crédito Rural da Empaer, Mariano Batista Campos, destaca que na safra 2015 foram financiados recursos para agricultores na ordem de R$ 93,2 milhões e a empresa atendeu mais de 40 mil agricultores, entre mulheres rurais, indígenas, quilombolas e jovens rurais. Conforme Mariano, foram elaborados também projetos técnicos para custeio e investimento, sendo 2.548 dentro da linha Pronaf (Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar), 128 FCO (Fundo Constitucional do Centro-Oeste) e 786 em outras linhas de crédito. A reunião contou com a participação dos técnicos que atuam na região do Vale do Rio Cuiabá.