Pular para o conteúdo
Voltar

Participantes recebem mudas durante o lançamento do Capim Elefante Canará em Cáceres

Participantes recebem mudas durante o lançamento do Capim Elefante Canará em Cáceres
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
Mais de 100 pessoas, entre produtores rurais, estudantes e pesquisadores participaram do lançamento do Capim Elefante BRS Canará, no Centro Regional de Pesquisa e Transferência de Tecnologia (CRPTT) da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), no município de Cáceres (225 km a Oeste de Cuiabá). A cultivar Canará é considerada uma das mais importantes forrageiras tropicais, apresenta diferencial de crescimento, produtividade no período da seca devido ao seu elevado potencial de produção de biomassa, fácil adaptação aos diversos ecossistemas e utilizada na alimentação de rebanhos. O evento aconteceu no dia 23 de novembro (sexta-feira). O trabalho de melhoramento genético da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) contou com a participação da Empaer e Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT). O pesquisador da Embrapa, Francisco Ledo, fala que a pesquisa faz parte do Programa Renasce - Rede Nacional de Avaliação de Capim Elefante com a participação de 16 Estados do Brasil. Segundo Francisco, o lançamento também aconteceu nos Estados do Acre e Amapá. Durante o lançamento do capim Elefante Canará os participantes percorreram duas estações. Na primeira estação, os pesquisadores Joadil Gonçalves de Abreu (UFMT), Antônio Rômulo Fava (Empaer) e Francisco (Embrapa), mostraram três épocas de plantio do capim. Conforme explicações, o corte do capim Canará deve ser feito quando a planta atingir a altura de 1,5 a 2,0 metros, ou a cada 60 dias, durante o período chuvoso. O capim pode ser usado de várias maneiras, seja em pastejo direto, rotacionado ou na capineira em que a forrageira é cortada e colocada no cocho para o consumo do animal. Na segunda estação, o pesquisador da Empaer, Francisco Idelfonso Campos, apresentou uma coleção de 21 tipos de gramíneas que podem ser usadas para alimentação de ovinos, bovinos e eqüinos no Estado de Mato Grosso. Ele orienta que vários fatores são importantes para o sucesso da gramínea, o principal é o manejo adequado e tipo de solo. O estudante do quarto semestre em Agropecuária do IFMT/Cáceres, Antônio Pavin, levou mudas de capim elefante para plantar e acompanhar o comportamento da cultivar num período de seis meses. O produtor rural, Luis Vicente de Arruda, do município de Poconé (104 km ao Sul de Cuiabá), possui 36 vacas leiteiras e veio para o lançamento em busca de alternativa para alimentação do rebanho no período da seca. Conforme Campos, os produtores interessados em cultivar o capim Canará podem solicitar mudas no Centro de Pesquisa da Empaer em Cáceres pelo Fone (65) 3291 1042 – Falar Com o técnico agrícola, Nivaldo. Participaram do evento, os diretores da Empaer, Norival Tiago Cabral, Almir de Souza Ferro, Coordenador de Pesquisa, Sebastião Campos, chefe do CRPTT, Nara Regina Gervini Souza, Presidente do Sindicato Rural de Cáceres, Jeremias Pereira Leite, supervisores, pesquisadores, técnicos e funcionários da Empaer.