Pular para o conteúdo
Voltar

Pesquisador lança livro sobre os "Filhos Ilustres de Poconé"

Pesquisador lança livro sobre os "Filhos Ilustres de Poconé"
Rosana Persona (Jornalista da Empaer)

A | A
Um resumo histórico do município de Poconé, desde a sua fundação até os dias atuais, está sintetizado no lançamento do livro “Filhos Ilustres de Poconé – Ontem e Hoje síntese biográfica”, do autor Francisco Ildefonso da Silva Campos, pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e mestre em Agrostologia. Franscisco é membro da Academia Literocultural Pantaneira (Acadepam) e ocupa a cadeira de número 25. O livro utiliza de análises históricas desde a origem do nome da cidade até a biografia resumida de diversos poconeanos, entre eles, José Alves Ribeiro, que esteve com Dom Pedro I nas margens do Ipiranga em 1822, quando decretou a separação do Brasil de Portugal. “Na ocasião, todos os participantes usavam uma fita com as cores da bandeira de Portugal na lapela da camisa, quando um poconeano retirou a fita da lapela, Dom Pedro I e demais autoridades retiraram também”, descreve. O autor menciona também um fato inédito sobre Manoel Esperidião da Costa Marques, que além de auxiliar na redação da Lei Áurea, mantinha um romance com a princesa Isabel. E ainda, ele conta que um dos ex-governadores do Estado, Manoel Alves Ribeiro, nascido em Poconé, foi um dos homens que comandou a Rusga em 1834 – revolução que se constituiu num reflexo crescente de rivalidade entre portugueses e brasileiros. Na revolta, diversos portugueses morreram na capital e em Poconé. Segundo Francisco, o livro aborda a história do município e menciona sobre os filhos de Poconé nascidos também no século 20. E cita o juiz Leopoldino do Amaral, que foi assassinado, o cantor e compositor de lambadão, Chico Gil, a atual prefeita e primeira mulher eleita em Poconé, Nilce Mary Leite (Meire Adauto) e outros. O autor já publicou outras obras, entre elas a Genealogia Pantaneira Poconeana, Os Pilares da Fé na terra dos Beripoconés e Dom José Vieira de Lima, bispo poconeano e pantaneiro. O livro pode ser encontrado nas livrarias da capital.