Pular para o conteúdo
Voltar

Produtores comercializam diariamente 30 toneladas de mandioca em Chapada dos Guimarães

Produtores comercializam diariamente 30 toneladas de mandioca em Chapada dos Guimarães
Rosana Persona (Jornalista da Empaer)

A | A
Para escoar a produção de mandioca, produtores rurais de Chapada dos Guimarães (67 km ao Norte de Cuiabá) estão vendendo a R$ 10,00 o saco de 60 quilos, para os atacadistas de Cuiabá e Várzea Grande. O supervisor da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) na comunidade João Carro, Roque da Costa, fala que o custo de produção da mandioca está em torno de R$ 11,60 (saco/ 60kg), ou seja, com a venda da mandioca, os produtores não conseguem ter lucro e quitar o financiamento junto ao Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Na região, são cultivados 300 hectares de mandioca, com uma produção estimada de 3.750 toneladas, e comercializadas diariamente 30 toneladas. Segundo Roque da Costa, a expectativa dos 150 produtores de mandioca das comunidades João Carro, Água Branca, Campestre, Bom Jardim, Pedra Preta, Mamede Roder e Quilombo, localizadas no entorno do lago de Manso, é obter retorno financeiro a partir de setembro, quando o preço do produto sobe, devido a escassez no mercado, e na região a produtividade é a mesma. O supervisor explica que isso acontece porque o solo apresenta boa fertilidade, é arenoso e fica fácil a retirada da raiz da mandioca, tanto no período da seca como das chuvas, sem causar a quebra do produto. Para evitar maiores prejuízos, os produtores estão tentando reativar a farinheira para produzirem farinha. Como exemplo, um fardo de 45 quilos de farinha está sendo vendido no mercado por R$ 120,00. Com a transformação da mandioca in natura, os produtores poderão obter lucro e renda da lavoura. O supervisor da Empaer explica que para produzir um fardo são ncessários 240 quilos de mandioca, ou seja, quatro sacos. E a farinheira tem capacidade para produzir 675 quilos de farinha por dia. Conforme Roque, outra opção é diversificar com o plantio de hortifruti e a implantação dos tanques redes para produção de pescado no lago de Manso. O Ministério da Pesca e Aqüicultura repassou para a Cooperativa dos Pequenos Produtores de Chapada dos Guimarães 35 tanques-redes. “Mesmo com tradição no cultivo da mandioca, os produtores recebem orientações para sair da monocultura e diversificar “, destaca. No mês de julho (13.07), foi realizado o Primeiro Encontro de Agricultores de Chapada dos Guimarães com o objetivo de discutir alternativas para comercialização da mandioca, preço do produto, mercado consumidor, renegociação das dívidas e criação de peixes em tanques redes. O evento foi coordenado pelo Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), Associação dos Moradores e Pequenos Produtores Rurais do Projeto de Assentamento Mamede Roder, Empaer e contou com a participação de 90 produtores.