Pular para o conteúdo
Voltar

Produtores do Cinturão Verde diversificam para melhor atender o consumidor

Produtores do Cinturão Verde diversificam para melhor atender o consumidor
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
Para o abastecimento da Central de Comercialização da Agricultura Familiar, localizada em Várzea Grande, o coordenador do escritório metropolitano da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Gildo Feitosa, visita os produtores rurais do Cinturão Verde do bairro Pedra 90, em Cuiabá, orientando sobre o Plano de Desenvolvimento para organização e produção de frutas, legumes e verduras (flv´s) na Baixada Cuiabana. No Cinturão Verde existem 50 produtores que plantam hortaliças, legumes e criam pequenos animais e outros. O auxiliar de contabilidade e produtor rural, Osmar Schmitz, numa área de 2,5 hectares, está produzindo quiabo, abóbora, feijão, milho verde e melancia. O trabalho é realizado pela família, a mulher Lucinéia Lima Schmitz, e a sogra e proprietária da área, Diomar da Silva Lima. Osmar explica que em anos anteriores, no período das chuvas a propriedade ficava debaixo das águas, foi necessário drenar o local para produzir. A intenção da família é produzir o ano todo e instalar o sistema de irrigação para garantir produtividade no período da seca. A produção está ajudando no orçamento de três famílias, que juntas gastavam R$ 100,00 por semana, na compra de hortaliças. Hoje, tudo que é consumido nas refeições vem da produção própria e o excedente é vendido para os comerciantes do bairro Pedra 90. Nascida e criada na roça, Diomar que trabalha como merendeira na rede pública, nos finais de semana faz de tudo na propriedade, capina, planta, colhe e vende a produção. Ela destaca que é importante a visita de um técnico da Empaer para orientar sobre os cuidados com o solo e a produção. O produtor rural, Francisco Alves de Araújo, numa área de 7,5 hectares planta quiabo, abobrinha verde, cana de açúcar, banana da terra e maçã. Somente com a cultura da cana, planta três hectares e é a maior fonte de renda da família com a produção de rapadura. Alves recorda que no ano de 2008, produziu 20 toneladas de rapadura para atender a merenda escolar. Trabalhando há 15 anos com a produção de rapadura, o produtor está investindo na construção de um prédio de 120 metros quadrados, para produzir a rapadura dentro das normas exigidas pela vigilância sanitária. Alves produz também açúcar mascavo e pretende agilizar a produção com a compra de equipamentos. Ele busca uma linha de crédito para concretizar a compra. Com uma produção diária de 200 quilos de rapadura, o produtor ressalta que tudo que produz vende e que pretende produzir mais para atender a demanda. “ Melhorei a vida da minha família com a produção e venda de rapadura”, destaca Francisco que arrendou um hectare de terra para Orlando Pires de Andrade Filho, que está produzindo em torno de 30 caixas de quiabo e dez caixas de abobrinha verde por semana. Para este ano, irá produzindo pimentão e melancia. Toda produção é irrigada e produz o ano todo. “Tudo que produzimos é vendido no bairro e vamos ampliar para atender a Central de Comercialização da Agricultura Familiar”, esclarece Orlando. O presidente da Associação e da Cooperativa dos Produtores do Cinturão Verde do Pedra 90, Benedito Abílio de Farias, fala que estão construindo um miniabatedouro de frango caipira que irá funcionar a partir do mês de março de 2011, com capacidade para abater 500 frangos por dia. Acredito que o Cinturão está se transformando num polo produtivo, que vai gerar emprego e renda para a população local. No dia 19, a partir das 8 horas, acontece na Secretaria Municipal de Educação de Cuiabá, uma reunião com os produtores da Capital, para elaboração do Plano de Desenvolvimento para produção de frutas, legumes e verduras (flv). Gildo comenta que a reunião vai definir que tipo de produtos os produtores de Cuiabá vão trabalhar para atender a Central de Comercialização. Serão realizadas reuniões em todos os municípios da Baixada Cuiabana.