Pular para o conteúdo
Voltar

Produtores investem no cultivo do limão Tahiti na região Norte de MT

Produtores investem no cultivo do limão Tahiti na região Norte de MT
Rosana Persona (Jornalista da Empaer)

A | A
Doze mil mudas de limão tahiti, melhoradas geneticamente, foram entregues para 25 produtores rurais da região norte do Estado, nos municípios de Peixoto de Azevedo e Matupá. A expectativa é produzir mais de 360 toneladas do fruto a partir de 2018. Cada produtor plantou 480 mudas em uma área de um hectare. O cultivo é todo irrigado e o projeto de Citricultura é coordenado pelas Secretarias de Agricultura dos municípios. O secretário de Agricultura de Peixoto de Azevedo, Daniel Noronha, fala que a muda de limão melhorada geneticamente é resistente a seca, doenças de solo e outras. A prefeitura forneceu o calcário e implementos agrícolas para preparo da terra. Noronha destaca a participação no projeto do pesquisador do Instituto Agronômico do Paraná (Iapar), Eduardo Fermino Carlos, que trouxe as informações e tecnologia para o cultivo. De acordo com o secretário, a intenção para os próximos anos é dobrar a área, ou seja, de 25 hectares para 50 hectares com o plantio do limão. As condições climáticas e o solo fértil favorecem a cadeia produtiva da citricultura na região. “Nosso clima é quente e úmido, ideal para o crescimento da cultura e da qualidade visual do fruto que apresenta uma coloração diferenciada, mais esverdeada, com a casca lisa, considerado ideal para exportação. Primeiro vamos comercializar na nossa região e Estado e depois para outras localidades”, destaca. O técnico agrícola da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Edgar Dalasta Bento, comenta que a cultura cítrica é irrigada e pode produzir o ano todo. Ele explica que no segundo ano de cultivo uma árvore produz em média 10 quilos de limão, e no terceiro ano considerado comercial, produz 30 quilos por árvore. Em um hectare de limão, poderá produzir mais de 14 toneladas do fruto na época da safra. Bento conta que o pesquisador do Iapar trouxe 300 mudas de limão em 2012. Pesquisou o solo, clima e a viabilidade para introdução do cultivo, uma boa muda e um cavalo resistente para enxertia com Citrumelo Swingle, porta-enxerto com resistência a doenças, principalmente a morte súbita dos citros. A partir daí, os produtores ficaram interessados e hoje poderão obter lucro e renda com a cultura. “Na safra o quilo do limão é comercializado por R$ 1,50 e na entressafra, pode chegar até a R$ 6,00 o quilo”, destaca Edgar.