Pular para o conteúdo
Voltar

Produtores realizam café da roça e comemoram instalação de poço artesiano e energia elétrica em Barão de Melgaço

Produtores realizam café da roça e comemoram instalação de poço artesiano e energia elétrica em Barão de Melgaço
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
Agricultores familiares da comunidade Capão, localizada no município de Barão de Melgaço (113 km ao Sul de Cuiabá), realizaram no domingo (13.12), o café da roça para comemorar as conquistas da comunidade, como a perfuração de um poço artesiano, a instalação da rede elétrica e uma farinheira. O supervisor do escritório da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Hudson da Silva Paes, responsável pelo atendimento às comunidades fala que os produtores são organizados e já se preparam para implantar a criação de ave semicaipira. Com recursos do Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA), a Empaer atende 53 produtores na comunidade Capão. Conforme o supervisor Hudson, os agricultores familiares trabalham com a cultura de subsistência e buscam alternativas para aumentar a renda familiar. “A criação de ave caipira é mais uma opção, e para o projeto dar certo, a comunidade vai reivindicar junto ao Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), a doação de madeiras apreendidas para confecção dos viveiros”, explica. O agricultor familiar, João Rufino de Souza, proprietário de uma área de 7 hectares, trabalha com fruticultura há cerca de 15 anos. Cultiva 2 mil pés de abacaxi, banana nanica e possui mais de 700 pés de pocan. O forte da propriedade é a colheita de pocan, que começa em maio e encerra em julho. Segundo o produtor, um pé de pocan produz em média 22 caixas de 25 quilos da fruta. A comercialização é realizada no mercado do município e da capital e pode dar um lucro de até R$ 15 mil. A líder da comunidade, Nair Francisca de Souza e esposa de João Rufino, não se cansa de falar em melhorias para a comunidade e sugere que cada produtor acredite no seu potencial e lute por seu sonho. Nair ressalta que o poço artesiano atende somente 28 produtores e estão reivindicando a instalação de outro para atender os 25 produtores, que não possuem água em sua propriedade. Ela explica que no ano de 2008, foi instalado o poço pelo governo do Estado e a comunidade desde então, vem pagando uma taxa de R$ 10,00, para manter os custos de manutenção do poço. “Os avanços na nossa comunidade contaram com o apoio e parceria da Empaer”, argumenta Francisca. A produtora rural, Tereza Dias de Lima (65 anos), mãe de 12 filhos, considerada pela comunidade mestre na produção de farinha, comenta que a farinheira está parada por falta de água para descascar a mandioca e espera que em breve possa fazer uma das melhores farinhas da região. “Nossa farinha é bem pururuquinha, branquinha e ideal para fazer farofa”, fala Tereza. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras Rurais de Barão, Althair Miguel da Silva, pretende realizar junto com a comunidade a reativação da farinheira, construir casas para os produtores rurais por meio do Instituto de Terras do Estado de Mato Grosso (Intermat) e ampliar a rede de energia elétrica e a perfuração de mais um poço artesiano. “Nosso trabalho vem tendo êxito devido a parceria e o compomisso que a Empaer tem com o produtor rural e suas famílias”, conclui Althair. O grupo gestor é formado pelos produtores: Aídes Marques de Oliveira, Naldino Padilha Gonçalves, Dirso Bocuti e Nair Francisca de Souza que estarão reunidos com a comunidade em fevereiro de 2010.