Pular para o conteúdo
Voltar

Projeto Pirarucu será lançado nesta sexta-feira na Região do Araguaia

Projeto Pirarucu será lançado nesta sexta-feira na Região do Araguaia
Rosana Persona (Jornalista da Empaer)

A | A
urante a 8ª Dinâmica de Empreendimentos e Empreendedores realizada dos dias 4 a 8 de maio, no município de Porto Alegre do Norte (1.125 km a Nordeste de Cuiabá), será lançado o Projeto Pirarucu (Arapaima gigas) em cativeiro, na Bacia do Araguaia. O evento é considerado para os participantes uma oportunidade de crescimento e qualificação profissional em diversas áreas de atendimento que envolvem o agronegócio. O técnico agropecuário da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e coordenador do projeto Pirarucu na Região do Araguaia, Mario Cezar Barboza, fala que o Projeto tem como objetivo desenvolver e difundir tecnologias e práticas de manejo do pirarucu para criação em cativeiro e conservação da espécie no seu habitat natural. Serão instaladas Unidades de Referência Tecnológica (URTs) para capacitação de piscicultores, técnicos, formação de mão de obra e divulgação da atividade. De acordo com Mário, o pirarucu é o peixe que mais cresce em cativeiro. No primeiro ano atinge peso de até 12 quilos e em 16 meses atinge 15 kg, considerado ideal para o abate e comercialização. Ele explica que serão executados dois projetos: o tanque elevado com alta concentração de peixe por metro quadrado de lâmina d’água, visitado no Estado de Rondônia que cria em cativeiro e tem legislação própria para o cultivo; e em tanques tradicionais. Um dos maiores peixes de água doce, típico dos rios que cortam a Amazônia, Araguaia e Tocantins, o pirarucu pode ultrapassar dois metros de comprimento e pesar mais de 150 quilos. Pelas vantagens comerciais, o pirarucu tornou-se presa cobiçada pela pesca predatória, sendo a criação em cativeiro uma alternativa para manter os estoques da espécie. Segundo Barboza, para o piscicultor interessado existe uma legislação que está sendo adequada ao nosso Estado. Na região será construído um centro de produção de alevinos que cultivará a espécie do pirarucu como fonte de renda e alimentação. Conforme Mário, a prioridade do Projeto é a produção de alevinos, formação de casais e em seguida, a engorda e produção de carne. O projeto vem sendo executado pelo Governo do Estado, por meio da Secretaria de Agricultura Familiar e Assuntos Fundiários (Seaf) e Empaer. O Programa para Manejo e Proteção do Pirarucu foi instituído pela Lei nº 10.203/14, de autoria do deputado estadual José Domingos Fraga. Na sexta-feira (06.05), durante o evento, o engenheiro de pesca de Rondônia, Elisafan Sales, ministrará palestra sobre a criação do pirarucu em seu estado.