Pular para o conteúdo
Voltar

Reunião da Câmara Técnica do Trigo discute políticas de apoio à cultura em MT

Reunião da Câmara Técnica do Trigo discute políticas de apoio à cultura em MT
Rosana Persona (Jornalista)

A | A
Representantes da Câmara Técnica do Trigo (CCT) se reuniram, nessa quinta-feira (05.05), para discutir a ampliação das ações do Protrigo no Estado de Mato Grosso e um projeto de governo para o desenvolvimento da cadeia produtiva do trigo. O pesquisador da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e coordenador da CCT, Hortêncio Paro, comenta que a câmara técnica vem permitindo avanços com a realização de Unidades de Observação (UO) de trigo de sequeiro e Unidades Demonstrativas (UD) de trigo irrigado no Estado. A reunião aconteceu na sala de reuniões da Secretaria de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf). O chefe geral do Centro Nacional de Pesquisa de Trigo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), Sérgio Roberto Dotto, trabalha há 40 anos com a cultura, ressalta que a Embrapa gera tecnologia para produção no campo. Ele sugere que para alavancar o cultivo do trigo em Mato Grosso será necessária uma ação integrada das instituições, criando um plano de desenvolvimento com dados de pesquisas. Outro ponto que destacou foi a comercialização, considerada um dos gargalos da cultura no Brasil. O diretor de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater), Almir de Souza Ferro, fala que a Empaer trabalha com a cultura do trigo desde 1979, testando variedades por meio de Unidades de Observação de Trigo de sequeiro. Após três décadas, foram implantadas 11 unidades de observação de trigo, sendo quatro de trigo de sequeiro e sete de irrigado, em 2010. Ferro acredita que é importante criar um programa de governo para incrementar a cultura do trigo no Estado. “Vamos alaborar uma proposta e encaminhar para a Sedraf”, informa Almir. O pesquisador Hortêncio fala que o Programa de Apoio à Cultura do Trigo (Protrigo) instalou, no mês de março, seis Unidades de Observação (UO) de trigo de sequeiro, em cinco municípios do Estado. Devido ao excesso de chuvas o plantio de trigo de sequeiro foi tardio e a colheita acontecerá nos meses de junho/julho. Na segunda quinzena do mês de maio começa o plantio do trigo irrigado. No município de Lucas do Rio Verde, na Fazenda dos Irmãos Piccini, estão programando o plantio de trigo irrigado numa área de 240 hectares. Conforme Paro, será realizado o plantio com 16 materiais genéticos, sendo cinco deles inéditos no Estado de Mato Grosso. O objetivo é produzir semente para implantação de novas unidades no Estado. “É necessário a participação de instituições de pesquisas para estimular o desenvolvimento da cultura no Estado”, declara Paro. Durante a reunião os representantes da Câmara receberam informações sobre o edital do Programa de Apoio a Núcleos Emergentes de Pesquisas, da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), que libera recursos de R$ 200 a R$ 500 mil para projetos de pesquisas. O edital estará aberto até o dia 16 de junho. Outro assunto foi Irrigação por gotejamento subsuperficial, apresentado como alternativa de cultivo para lavouras comerciais, inclusive do trigo. A próxima reunião da Câmara Técnica está marcada para o dia 07 de julho, na Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf).