Pular para o conteúdo
Voltar

Técnicos agrícolas são habilitados para elaboração do CAR

Técnicos agrícolas são habilitados para elaboração do CAR
Rosana Persona ( jornalista da Empaer)

A | A
Os técnicos sindicalizados no Sindicato dos Técnicos Agrícolas de Mato Grosso (Sintmat) estão autorizados a elaborar os projetos de Cadastro Ambiental Rural (CAR) e Licença Ambiental única (LAU). O presidente do Sintmat e extensionista da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Gildo Alves, explica que antes a atividade era permitida somente para engenheiros agrônomos e florestais. O técnico agrícola recebeu autorização da Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema) para a função no final de 2013. O Estado de Mato Grosso tem aproximadamente 20 mil técnicos agrícolas e seis mil cadastrados no Conselho Regional de Engenharia e Agronomia (CREA). Segundo Gildo, o profissional terá mais uma fonte de trabalho e adianta que é necessário fazer o registro na Sema para desenvolver a atividade. “Os produtores querem regularizar as propriedades rurais para obterem a liberação de recursos, em especial os pequenos agricultores, junto às linhas de crédito do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf)”, ressalta Feitosa. O Cadastro Ambiental Rural é o registro público eletrônico das informações ambientais dos imóveis rurais com finalidade de promover a identificação e integração das informações ambientais das propriedades e posses rurais, visando o planejamento ambiental, monitoramento, combate ao desmatamento e regularização ambiental. A inscrição no CAR é obrigatória para todos os imóveis rurais (propriedades ou posses), sejam eles públicos ou privados, e áreas de povos e comunidades tradicionais que façam uso coletivo do seu território. A exigência de estar sindicalizado para realizar o CAR é uma reivindicação antiga do sindicato e vai possibilitar o aumento na oferta de trabalho e mão de obra no Estado. “É de fundamental importância estar devidamente filiado a entidade de classe, pois, somente com a organização da categoria é que teremos condições de garantir o respeito da profissão”, ressalta Gildo. Mais informações pelo site www.sintamat.com.br.