Pular para o conteúdo
Voltar

Trigo em Mato Grosso terá garantia de preço mínimo

Trigo em Mato Grosso terá garantia de preço mínimo
CHRYSTIANE DA CONCEIÇÃO - Assessoria da Empaer

A | A
Foi realizada na tarde dessa quinta-feira (24.07) a terceira reunião ordinária da Câmara Técnica do Trigo (CTTrigo) do Conselho de Desenvolvimento Agrícola (CDA) da Secretaria de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar (Sedraf). A reunião aconteceu na sala de reuniões da Organização das Cooperativas Brasileiras no Estado de Mato Grosso (OCB/MT). O secretário de política agrícola do Ministério da Agricultura, Seneri Paludo, voltará para Brasília-DF com dois encaminhamentos. “Primeiro, formação de custo de preço mínimo de trigo para Mato Grosso, pois sem isso, não podemos fazer aquisições e nem implementar a Política de Garantia de Preço Mínimo (PGPM), então, vamos trabalhar junto com a Conab para isso. O segundo encaminhamento é financiar a pesquisa de trigo no estado, principalmente como opção de segunda safra”, garantiu Paludo. As câmaras são instrumentos para formulação de políticas públicas e privadas e essas reuniões tem o objetivo de acompanhar e desenvolver as ações do trigo em Mato Grosso. “Ainda não temos empresas no mercado, vamos ter que trabalhar com a Embrapa e outras fontes, para desenvolver isso aqui. A cultura do trigo ainda é relativamente nova no estado, então, temos que criar ambientes de negócios e ambientes de negócios precisam de demanda, estrutura logística e pesquisa”, explicou o secretário de Estado de Desenvolvimento Rural e Agricultura Familiar, Luiz Carlos Alécio. As reuniões da câmara técnica acontecem bimestralmente sempre às quintas-feiras. “Há anos temos insistido, chamando diversas pessoas e representações das esferas públicas e privadas para realmente alavancar o trigo em Mato Grosso, porque é algo que eu acredito”, ressaltou o engenheiro agrônomo da Empaer e coordenador da Câmara Técnica do Trigo, Hortêncio Paro. O presidente da Empaer, Valdizete Martins Nogueira, destacou que a empresa possui uma diretoria de pesquisa que tem condições de levar adiante os trabalhos de pesquisas do trigo em Mato Grosso: “Unindo forças é que vamos conseguir alavancar o trigo em nosso estado. O trabalho da pesquisa é importante para saber, por exemplo, quais variedades são mais adaptáveis e produtivas ao nosso clima”, lembrou Valdizete. Estiveram presentes nesta reunião representantes da Sedraf, Empaer, Indea, UFMT, AMM, Secitec, Aprosoja, OCB/MT, Famato, Sicme e Moinho MT e produtores.