Pular para o conteúdo
Voltar

Unidades testam materiais genéticos para produção de trigo de sequeiro em MT

Unidades testam materiais genéticos para produção de trigo de sequeiro em MT
Rosana Persona (jornalista)

A | A
Para acompanhar as mudanças climáticas e verificar a melhor época de plantio, o Programa de Apoio a Cultura do Trigo (Protrigo), instalou três Unidades de Observação (UO) e um campo experimental com materiais genéticos de trigo de sequeiro. O extensionista da Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer), Hortêncio Paro comenta que os testes serão destinados a materiais genéticos classificados para produção de pão, massas e farinhas consideradas nobres. As Unidades de Observação de trigo de sequeiro foram instaladas nos municípios de Alto Taquari – com 11 materiais genéticos: Velente, Mirante, Quartzo, Marfim, Supera, Aliança, BRS 208, IAC 350, Brilhante, BR 18 e Guamirim, seis variedades em Tangará da Serra, três em Campo Verde e um material genético com cinco épocas de plantio no Campo Experimental do Instituto Federal de Mato Grosso em São Vicente. A colheita do trigo acontecerá no mês de junho. Conforme Paro, antes da colheita estão previstas visitas técnicas nas Unidades visando à difusão do conhecimento e apresentação das novas variedades que serão utilizadas pelos triticultores. Segundo Paro, o trabalho mais recente no município de Tangará da Serra foi na fazenda Querência, cuja região tem uma altitude acima de 720 metros, recomendável para plantio de trigo de sequeiro com potencial de área de aproximadamente 500 mil hectares. Os materiais genéticos foram realizados com plantio convencional no mês de março (23). “A expectativa é positiva se não houver problemas climáticos, já que o solo é corrigido há mais de 20 anos, devido o cultivo da soja na região”, relata Hortêncio. Com tradição e pequenos cultivos, o Estado de Mato Grosso testa variedades de trigo de sequeiro e irrigado há mais de 25 anos. No município de Alto Taquari, por exemplo, a variedade BR 18 continua sendo o material de grande potencial para o Estado, com tolerância a doença bruzone e a variedade IAC 350, que apresenta boa adaptação climática é a mais indicada para produção de massas em especial de macarrão. Paro fala otimista, da nova medida anunciada pelo governo federal em estabelecer uma política de apoio à cultura do trigo. O governo pretende atingir uma produção de 7,5 milhões de toneladas de trigo até 2012. A produção nacional chega a 5 milhões de toneladas. E devido às variações climáticas ocorridas na safra 2008/2009, a qualidade do trigo ficou prejudica e inferior ao produzido no Brasil. “ O governo tem criado mecanismos de apoio a cultura do trigo, isso é um bom começo”, conclui Hortêncio.